A Capa


Psicólogo Pedrosa: Já transei com homens, mas não quero ser gay, existe algum tratamento?

Por Redação em 23/08/2012 às 18h35

Psicólogo Pedrosa: Já transei com homens, mas não quero ser gay, existe algum tratamento?

Psicólogo Pedrosa, eu já tive relações sexuais com outros homens, mas somente sendo o passivo. Sou muito discreto. Mas não quero mais isso pra mim, existe tratamento para eu ter o desejo pelo sexo oposto, sentir atração. Rafael (São Paulo - SP)

Rafael, não existe nenhum tratamento para mudar o desejo sexual de uma pessoa. Este tratamento não existe e provavelmente não existirá. Um homossexual poderá fazer um tratamento e começar a sentir desejo sexual por uma mulher? Algumas tentativas foram feitas e todas fracassaram.

A Associação Norte-Americana de Psicologia formou um comitê especial em 2007 para atualizar o relatório de 1997 sobre a "mudança da orientação sexual do gay". Após dois anos de trabalho, foi publicado um novo relatório de 138 páginas.

Foram revisados 83 artigos científicos em inglês, publicados entre 1960 e 2007. A maior parte dos experimentos registrados havia sido produzida antes de 1978 e somente algumas experiências tinham ocorrido nos últimos 10 anos. O grupo de trabalho encontrou, nas pesquisas, falhas de procedimento. Uma quantidade pequena de pesquisas e estudos foi considerada metodologicamente correta. Nenhum deles avaliou sistematicamente danos potenciais aos indivíduos causados pelo esforço do tratamento. Entende-se por danos em potencial a tentativa de suicídio, depressão e outros transtornos comportamentais.

Alguns desses estudos bem mais antigos, segundo conclusões do comitê, já apontavam ser improvável que a orientação sexual pudesse ser modificada. O que se poderia conseguir, como foi sugerido em alguns estudos, era que algumas pessoas poderiam se esquivar da sua homossexualidade, deixando de praticá-la. Mas, o desejo sexual por alguém do mesmo sexo continuará até o fim da vida.

No dia 5 de agosto de 2009, o comitê especial da renomada Associação Norte-Americana de Psicologia apresentou finalmente no seu site o relatório que foi amplamente divulgado na mídia. O relatório comunicava que "não há qualquer evidência que apoie a afirmação de alguns profissionais de que a orientação sexual pode ser alterada por terapia. Os profissionais de saúde mental não devem dizer aos pacientes que é possível mudar sua orientação sexual; em vez disso, devem explorar caminhos e possibilidades na vida que permitam acessar a realidade da sua orientação sexual".

Por que não se consegue mudar a orientação sexual de uma pessoa? Porque a orientação do desejo sexual não é um comportamento aprendido. Orientação sexual é um comportamento complexo herdado, é um Padrão Fixo de Ação, que é uma predisposição filogenética que temos para determinados comportamentos. Por exemplo: a emissão dos fonemas e a lateralidade são exemplos, também, de Padrão Fixo de Ação. Para os comportamentos se expressarem é necessário um ambiente que os estimulem.

Estes comportamentos são acionados ou disparados para respondermos a determinadas estimulações ambientais em tempo específico do desenvolvimento do organismo. Por exemplo, um menino gay vai ser guiado para sentir atração sexual pelos caracteres sexuais primários e secundários de um homem: pênis, pilosidade corporal,voz, formas do corpo, etc. Já o menino hétero será guiado para os caracteres da mulher: vulva, vagina, seios, etc. Estes caracteres sexuais funcionam como os estímulos liberadores (estímulo-sinal) que irá reforçar o comportamento homo ou hétero na pessoa durante a sua vida.

Em cada indivíduo na infância a orientação sexual irá aparecer de forma muito particular. Os estímulos-sinal ou liberadores que irão evocar a orientação homossexual vão variar de indivíduo para indivíduo. Para você conhecer mais sobre esta questão, no livro Garoto Rebelde - surgimento da homossexualidade na criança é detalhada todas as questões ligadas a determinação da orientação sexual homossexual.

Penso que você deve procurar um caminho para se aceitar como gay e ser feliz sendo gay. Porque ser homossexual é muito bom e saudável. Ser homossexual torna-se aversivo para a maioria dos gays devido a ação coercitiva homofóbica das agências controladoras de nossa cultura: religião, estado e educação, que querem impor as suas regras para todos tentando eliminar o que de mais precioso nós temos na vida que é a Diversidade. É por causa da Diversidade que a vida existe no nosso planeta.

*João Batista Pedrosa é psicólogo (CRP 06/31768-3) e autor do livro "Segundo Desejo" (Iglu). Envie suas dúvidas e perguntas para pedrosa@syntony.com.br. Acesse também seu site.

Link

Comentários








casar: Não entendo porque ser gay incomoda tanta gente, acho que deve ser uma forma de fugir dos problemas que realmente importam na vida.

Luciana: Todos os gays que conheço, começou assim: na inocência brincando com os primos, um pegando o bilau do outro... o mais fraquinho, acabava sendo passivo e se acostumou sendo assim. Sem orientação dos pais, (por trabalharem e deixarem seus filhos a mercê de tudo) as coisas iam acontecendo e o menino aceitando essa posição! Tudo na vida se aprende... é assim que Freud explica!

Icaro Gabriel: Eu tenho 15 anos atualmente,eu vou falar sovre as etapas da minha vida da infância até meus 15 anos.Minha infância em relação a brinquedos não foi muito normal eu brinquei de boneca e brincava de carro tambem eu sempre fui um paradoxo, não gostava de jogar futebol, mas no geral eu era uma criança normal,eu soube o que era sexo entre homem e mulher aos 7 anos que meus primos me contaram eu na minha infãncia era um pouco precoce em relação a ter experiências sexuais eu ja fiz algumas coisas com algumas meninas e tambem com alguns meninos na minha idade na minha infãncia porém com os meninos tudo escondido mas eu nunca cheguei a transar na mnha infância>o tempo foi passando as mudanças físicas começaram e as psicológicas tambem eu comecei a pensar por mim mesmo e aos poucos fui começando a ter desejos por homens isso aos 12 anos o que me deixava confuso e ainda deixa cada vez mais eu sentia vontade de ter experiências com homens muitas vezes mas do que mulher embora eu me excite com mulhe

INDIGNADO: A vezes me assusto,de como os gays são xiitas.Quem disse que se nasce gay e se morre gay?Me mostrem um estudo sério que afirme isso?Um psicologo,que aconselha uma pessoa, a aceitar sua homossexualidade,mesmo que essa seja algo indesejado,deveria ter sua licença cassada.Uma pessoa,tem todo o direito a mudar sua orientação sexual,pelos meios que achar conveniente.Se existe ex-travesti,porque raios não pode existir ex gay?E para aviso aos navegantes,eu sou gay e muito bem resolvido.Bye bye

ric: Você pode tentar a tecnica do outro psicologo que ensinava aqui mesmo neste site como um passivo pode se transformar em ativo. Tecnica essa digna de qualquer igreja evangélica. Depois de virar ativo é só enfiar em buceta em vez de enfiar em cu. Tudo muito simples.

Danny: Rafael diz que teve relações, provavelmente poucas, e em todas elas participou sendo passivo, ou seja, tão pouca experiência ainda para tantas dúvidas. Pelo que descrito me parece que ele é outro que não se sente confortável sendo passivo. Minha dica pra você Rafael, BRINQUE SOZINHO. Use os seus dedinhos para percorrer cada centímetro da sua pele, acaricie cada orifício, descubra em seu corpo todos os pontos que te excitam e só depois se aventure com outra pessoa. Ah... sobre mudar de time, desista logo pois isso só vai te deixar mais grilado.

Anterior  1 2 3 4 5  Próxima 

Ofertas Atirados

 

 

Cueca Touch Slip Brief 2(x)ist

 

Preço: R$ 120,00
PROMOÇÃO: R$ 60,00

 

 

Cueca Touch Slip Brief 2(x)ist

 

Preço: R$ 120,00
PROMOÇÃO: R$ 60,00

 

 

Cueca Touch Slip Brief 2(x)ist

 

Preço: R$ 120,00
PROMOÇÃO: R$ 60,00

 

 

Cueca Touch Slip Brief 2(x)ist

 

Preço: R$ 120,00
PROMOÇÃO: R$ 60,00


É expressamente proibido a reprodução parcial ou total de qualquer conteúdo do site A Capa sem prévia autorização por escrito dos responsáveis.
A Capa na iTunes App Store A Capa no Android Market RSS Facebook Twitter SoundCloud
Cadastre-se no informativo