A Capa


Livro conta história de amor gay em meio a horrores da 2ª Guerra

Por William Magalhães em 01/02/2010 às 20h30

 Em Majdanek (Ed. Baraúna), livro de estreia do escritor Paulo de Tarso, os horrores da Segunda Guerra Mundial estão presentes não como pano de fundo ou cenário meramente ilustrativo. As atrocidades cometidas na Alemanha nazista aparecem na história o tempo todo, como se fosse um personagem da trama.

Nada com que se assustar. Majdanek não é tão pesado quanto parece. A linguagem cinematográfica escrita pelo autor faz com que a leitura flua e os acontecimentos sombrios fiquem encobertos por momentos de ternura e esperançosos.

Esses momentos "lights" acontecem por conta dos protagonistas, um polonês e um judeu que desenvolvem uma forte relação para sobreviver aos campos de concentração. A história de começa quando o advogado polonês Piotr recebe um convite de um oficial da SS para participar de um congresso em Berlim.

Durante a viagem, o rapaz faz amizade com o judeu Jan Adler.  Ao chegar à capital alemã, Piotr descobre-se em uma espécie de armadilha, onde os intelectuais estrangeiros que não compactuam com os ideais nazistas são levados a campos de concentração. A partir daí os personagens procuram apoio mútuo para suportar os maus tratos a que foram submetidos.

Em entrevista ao site A Capa, o escritor Paulo de Tarso explicou o que serviu de motivação para a história. Leia a seguir.

Você começou a escrever aos 17 anos. Quantos anos tem agora e o que, basicamente, você escreve?
Eu tenho mais... de 30 anos (risos). Escrevo poesias, vários contos sobrenaturais, contos eróticos que já até publiquei em sites, crônicas, tenho uma peça de teatro. Romances começados ou já prontos... e muitos títulos para começar. Estórias infantis... e posso também escrever com temas indicados como já fiz em sites.
 
O que serviu de inspiração para a história de Majdanek?
As inúmeras visitas ao campo de concentração quando eu morei por alguns meses a duas quadras do campo de concentração de Lublin, na Polônia. O número do museu é 67 e eu morei no prédio 47. Além disso a travessia que eu fiz entre a Polônia e a Alemanha. E também importante: a hipocrisia e a cegueira em relação ao óbvio que a sociedade teima em repetir durante a sua história. Mas há outras inspirações não muito claras, como a psicografia por exemplo...
 
 Você escreveu a história de Majdanek depois de visitar o campo de concentração. O que o motivou a visitar a Polônia? Possui ascendência polonesa?
Sim, bem depois. Quando já estava aqui. (Escrevi) no ano passado, pouco mais de um ano desde que entrei no campo pela primeira vez. Viajei pela Europa durante mais de um ano, depois de ter morado em Madri. Resolvi que não ficaria somente em um lugar já que não sabia quando voltaria para lá. Então quando estava na Itália fazendo "mimo", recebi um convite de um amigo que conheci na Espanha, para visitar a sua família em Lublin. Nessa época acampava em plena Roma. Arrumei as minhas coisas e tomei um avião para Krákow e de lá um ônibus a Lublin, na Polônia... cheguei de madrugada e achei tudo estranho. Mas já fui bem recebido por amigos do meu amigo que estavam no centro da cidade me esperando. Não possuo ascendência polonesa. Mas gosto do povo eslavo. Já estive em moscou há alguns anos.

A orelha do livro diz que você cursou um ano de Letras na USP. Você abandonou o curso? Por quê?
Uuuu! Entrei em letras na usp em 1994 e depois entrei novamente em 2005. Além disso deixei um curso de medicina quase no final. Isso quer dizer mais de 5 anos de estudo. O que acontece é que eu sempre achei que faltava algo para mim, alguma coisa a mais que um curso universitário não me daria e que nunca me deu. Mais profundo. Eu encontro isso quando escrevo!

Mas como tudo o que eu fiz na vida, os cursos me acrescentaram inúmeras situações, personagens e conhecimentos para enriquecer várias das minhas estórias.. Existe um médico em Majdanek, não?
 
Seu livro tem uma linguagem cinematográfica. Você assistiu a muitos filmes sobre a Segunda Guerra Mundial durante o processo criativo?
Tem. Obrigado por notar. Eu amo cinema. E vejo desde criança filmes de drama e sobre a Segunda Guerra Mundial. E até a música que eu disse que os personagens tocavam, eu imaginei como uma cena de cinema. alías, Várias partes do livro são pensadas pra cinema. Quero filmar os meus livros. Sobre os filmes: sim. Assisti várias vezes e comprei alguns. Era preciso me emocionar, chorar um pouco com o que acontecia, tentar entender a causa do ódio, da loucura daquela gente, daquela época. Viver os futuros personagens. Sou admirador do Steven Spielberg: "A lista de Schindler" e "A Cor Púrpura" são filmes que amo e que tenho em casa. A dor da personagem principal de "A Cor...", que é a mesma dor de injustiça de tantos que sofreram na Segunda Guerra, me faz desabar em choro, sempre que revejo o filme.

Você descreveu os horrores da Segunda Guerra sem ter passado por aquela experiência. Seu livro conta a história de um amor gay. Acredita que tem que ser gay para fazer literatura gay?
Boa pergunta. Não. Pois o meu próximo livro será sobre vampiros e, eu acho, eu não sou vampiro! Mas algumas experiências de sofrimento são universais e podem ser aplicadas com inteligência e sensibilidade a várias tipos de personagens. Steven Spielberg roteirizou um filme sobre negros e ele tem ascendência judaica/judia.
 
Você fez o lançamento de Majdanek n'A Lôca, em São Paulo. Por que escolheu a boate?
Porque eu queria três lugares que tinham a ver com um ambiente alternativo na cidade e underground. Quem me recebeu melhor e me tratou melhor foi quem representa a casa. Ele esteve à minha disposição para qualquer modificação necessária no local. Quero fazer todos os meus lançamentos de uma maneira não tradicional ou convencional. Acho divertido. A minha roupa na noite de autógrafos era uma possível roupa do protagonista. Os temas foram misturados para não serem convencionais. Não se mistura, normalmente, gays e judeus! Você não acha?

E eu gosto muito d'A Lôca. O ambiente é totalmente não convencional: cheio de esculturas fantásticas; uma cadeira que quase fala; o ambiente é "dark". Já existia quase tudo o que eu queria para remeter a noite de autógrafos a um ambiente sombrio e misterioso e a um campo de concentração.

Link

Comentários








Paulo de Tarso: O livro pode ser encontrado no siite da editora:http://www.editorabarauna.com.br/index.php?mpg=02.00.00&npr=189&pg= E quanto a referência a drogas: sinto muito não as uso. Nem nunca as usei!

Paulo de Tarso: Ainda bem que existe gente de tem visão do assencial. Mas para os que não têm, deixo que o universo ilume vocês. E que façam vocês pelo menos terem a chance de conhecer o mínimo de si mesmos antes de criticar os demais. Alguns comentários eu já esperava e eles respondem às minhas expectativas, mesmos os negativos. E quanto a "Bent, o canto preso" de Martin Sherman" bom...se quem comentou ler o meu livro verá que é bastante diferente. Levianos todos podemos ser...

Leni Martins: Paulo de Tarso, até o nome é bíblico e especial, amei seu livro, meus parabéns pela sensibilidade. Sou tua fã. beijos Leni

Brenno: Onde encontro o Livro???

Fah: Sou poeta,compositor,cantor,artesão,desenhista e escritor.Tambem estou escrevndo um livro gay,alem de um outro, tambem gay,que é uma coletanea d econtos eróticos. Acho muito importante saber que varios titulos com esses titulos estão surgindo mais e mais. Em tempo:tambem estou atras de patrocinio para publicar meu livro d epoesias que está uma delicia. Abraço a todos.

Ricardo Aguieiras: Estou, nesse momento, psicografando o Oscar Wilde... um minuto... ele acaba de me dizer que esse livro é uma grande bobagem....

Anterior  1 2  Próxima 

Ofertas Atirados

 

 

Cueca Touch Slip Brief 2(x)ist

 

Preço: R$ 120,00
PROMOÇÃO: R$ 60,00

 

 

Cueca Touch Slip Brief 2(x)ist

 

Preço: R$ 120,00
PROMOÇÃO: R$ 60,00

 

 

Cueca Touch Slip Brief 2(x)ist

 

Preço: R$ 120,00
PROMOÇÃO: R$ 60,00

 

 

Cueca Touch Slip Brief 2(x)ist

 

Preço: R$ 120,00
PROMOÇÃO: R$ 60,00


É expressamente proibido a reprodução parcial ou total de qualquer conteúdo do site A Capa sem prévia autorização por escrito dos responsáveis.
A Capa na iTunes App Store A Capa no Android Market RSS Facebook Twitter SoundCloud
Cadastre-se no informativo