A Capa


Rio de Janeiro facilita casamento gay em todo estado; uniões ainda passam por aval de juiz

Por Redação em 19/04/2013 às 16h16

Rio de Janeiro facilita casamento gay em todo estado; uniões ainda passam por aval de juiz

O Rio de Janeiro ainda não aderiu totalmente ao casamento gay como o A Capa havia noticiado nessa sexta (19). Entenda o que muda com a nova lei no estado.

A decisão, assinada pelo desembargador Valmir de Oliveira Silva, Corregedor Geral de Justiça do Rio, e publicada no Diário Oficial do Estado nessa sexta (19), apenas facilita o processo do casamento civil entre pessoas do mesmo sexo.

O que muda agora é que os cartórios não poderam se recusar a receber o pedido de casamento. O provimento permite que todo casal homoafetivo possa solicitar junto ao cartório a habilitação direta para o casamento civil, sem a necessidade de ter previamente um contrato de união estável.

O pedido então será encaminhado ao juiz da comarca responsável, que decidirá sobre cada caso. No texto consta que, se após 15 dias da publicação da ordem de serviço do cartório, não existir nenhum impedimento ou causa que suspenda o casamento, nem pelo promotor e nem pelo juiz, o casal será considerado casado.

Se o juiz da comarca for previamente a favor do casamento entre pessoas do mesmo sexo, o cartório pode realizar essa união, assim como em casamentos heterossexuais.

Abaixo você confere o texto do provimento do desembargador Valmir de Oliveira Silva, que normatizou os pedidos de casamento gay no Estado.

PROVIMENTO CGJ Nº 25 /2013
O Desembargador VALMIR DE OLIVEIRA SILVA, Corregedor-Geral da Justiça do Estado do Rio de Janeiro, no exercício das atribuições que lhe são conferidas pelos incisos XX e XXI do artigo 44 do Código de Organização e Divisão Judiciária do Estado do
Rio de Janeiro e art. 2º, inciso I, da CNCGJ,

CONSIDERANDO a decisão proferida pelo Supremo Tribunal Federal, nos autos da Ação Direta de Inconstitucionalidade nº 4277/DF e da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental nº 132/RJ, em que se reconheceu a união estável entre pessoas do mesmo sexo como entidade familiar, atribuindo-se aos conviventes homoafetivos os mesmos direitos e deveres decorrentes da união estável heterossexual, com eficácia erga omnes e efeito vinculante;

CONSIDERANDO que a Constituição Federal assegura o direito de petição a todos, na salvaguarda dos seus direitos (art. 5º, XXXIV, a);

CONSIDERANDO que trata-se de matéria jurisdicional a apreciação de eventual impedimento legal para casamento homoafetivo, não podendo ato normativo interno do Tribunal sobrepor-se ao entendimento do Juízo competente;

CONSIDERANDO que a redação atual do artigo 765 da Consolidação Normativa da Corregedoria-Geral de Justiça está em desacordo com a atual redação do artigo 1526 do Código Civil, dada pela Lei 12.133/2009;

CONSIDERANDO a necessidade de regular, disciplinar e uniformizar os procedimentos a serem adotados pelos serviços notariais e de registro;

CONSIDERANDO a decisão proferida no processo nº 2012-207355,
Art. 1º O artigo 765 da Consolidação Normativa da Corregedoria Geral de Justiça (parte extrajudicial), que passa a vigorar com a seguinte redação:
"Art. 765. Após a expedição dos editais de proclamas, deverá ser aguardado o prazo de 15 (quinze) dias, a contar da afixação no Serviço e publicação, para efeito de oposição de impedimentos ou causas suspensivas do casamento, consoante o disposto na lei civil.
§ 1º. Não existindo óbice legal que deva ser reconhecido de ofício pelo Oficial Registrador nem havendo impugnação, será aberta vista do processo de habilitação ao Ministério Público, na forma prevista no artigo 1.526 do Código Civil.
§ 2º. Considerando o entendimento adotado pelo Órgão Especial do Colégio de Procuradores de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, a intervenção do Ministério Público nos procedimentos de habilitação de casamento é facultativa, salvo nas hipóteses de impugnações, impedimentos ou dispensa de proclamas. Portanto, o Oficial Registrador deverá verificar o entendimento do órgão ministerial a respeito, certificando nos autos do procedimento.
§ 3º. Somente na hipótese de impugnação ex officio, do Ministério Público ou de terceiros é que o procedimento de habilitação será submetido à apreciação judicial, conforme previsto no artigo 1.526, parágrafo único do Código Civil.
§ 4º. Nos procedimentos de habilitação de casamento de pessoas do mesmo sexo, a questão deverá ser analisada pelo Juízo competente.
§ 5º. Se o entendimento do Juízo competente for no sentido da inexistência de impedimento para casamento de pessoas do mesmo sexo, poderá editar ordem de serviço dirigida ao Serviço de RCPN para que somente lhe submeta o procedimento de habilitação quando houver impugnação.
§ 6º. Nos períodos de afastamento do Magistrado que editou a ordem de serviço a que se refere o parágrafo anterior, o Juiz em exercício poderá oficiar ao Serviço de RCPN, determinando que os processos de habilitação de casamento entre pessoas do mesmo sexo lhe sejam submetidos à apreciação."
Art. 2º. Este provimento entra em vigor na data se sua publicação, revogadas as disposições em contrário. Rio de Janeiro, 18 de abril de 2013. VALMIR DE OLIVEIRA SILVA, Desembargador Corregedor-Geral da Justiça.

Link

Comentários








indio poti: agora ficou bem difícil para os juízes cariocas homofóbicos usarem o trololó de 'ausência de previsão legal' quando quiserem negar o pedido... como disse abaixo o Veridiano , apesar o avanço do Rio nesse assunto, ainda fica a impressão de que, lá, os gays continuam cidadãos de 2a. classe, pois heteros não têm seus pedidos de casamento avaliados por promotores ou juízes...............

Caio: Kau têm quem goste e aprecie um bom relacionamento. Só porque você não quer, não quer dizer que todos devam ser assim. Aliás quem desdenha muito quer comprar. Quem sabe os que não gostam, são assim por ninguém ter aparecido, aí ficam nessa de achar "chato".

Ricardo: Que maravilha!! rsrs

kau: RELACIONAMENTO E CASAMENTO É UMA COISA TÃO CHATA...NÃO SEI PORQUE AS PESSOAS INSISTEM TANTO NISSO...!!!1

Veridiano: Os homossexuais não valem menos que os heterossexuais para terem tratamento diferenciado na Justiça. A decisão é um avanço, mas não concordo com ela por ser discriminatória. Ainda assim louvo a atitude do juiz e agradeço-lhe.

Angelo: Vou pedir a minha habilitação na segunda!!!!

Anterior  1  Próxima 

Ofertas Atirados

 

 

Jockstrap Diesel Fresh & Bright - Laranja e Azul

 

Preço: R$ 120,00
PROMOÇÃO: R$ 99,00

 

 

Jockstrap Diesel Fresh & Bright - Azul Marinho

 

Preço: R$ 120,00
PROMOÇÃO: R$ 99,00

 

 

Jockstrap Diesel Fresh & Bright - Verde

 

Preço: R$ 120,00
PROMOÇÃO: R$ 99,00

 

 

Jockstrap Diesel Fresh & Bright - Azul

 

Preço: R$ 120,00
PROMOÇÃO: R$ 99,00


É expressamente proibido a reprodução parcial ou total de qualquer conteúdo do site A Capa sem prévia autorização por escrito dos responsáveis.
A Capa na iTunes App Store A Capa no Android Market RSS Facebook Twitter SoundCloud
Cadastre-se no informativo